Revista

Reverbéro Inspira | A Noiva

No segundo episódio vamos acompanhar tudo sobre as escolhas da noiva, desde o vestido até a beleza

Esta já é segunda matéria da Série Revérbero Inspira onde eu Aline conto para vocês a história do meu casamento, se você chegou aqui agora sugiro que clique no link abaixo para entender tudo o que aconteceu até aqui, saiba como essa história de amor começou e quais são os primeiros passos para depois que você disser “SIM eu quero me casar com você”.

Veja também: Revérbero Inspira | A escolha dos fornecedores

O vestido que me cabe 

Ao contrário de muitas mulheres que desde a adolescência se imaginam num vestido branco de noiva de véu e grinalda, eu nunca gostei de vestido de noiva, a ideia que me passava era de algo que se parecia como uma fantasia. Engraçado que depois de um tempo percebi que até achava bonito em outras mulheres mas não em mim.

Um episódio muito curioso aconteceu comigo e a partir dali eu decidi que não usaria vestido de noiva quando me casasse. Fui participar de uma festa junina com direito a quadrilha e naquele ano decidimos que todas as meninas seriam as noivas, o que causou grande alvoroço entre a mulherada e a saga para encontrar um vestido era o único assunto que se ouvia entre as meninas da mocidade.

Eu entrei na brincadeira e surgiu um vestido de noiva no brechó de uns amigos, quando me contaram do tal vestido decidi experimentá-lo e quem sabe resolver o tal “pepino”.

Me lembro bem até hoje, quando entrei no vestido, que por sinal me vestiu perfeitamente me senti mal e quis tirá-lo na hora, um sentimento estranho de não pertencimento me tomou naquele instante e para mim ficou claro que a relação Aline x Vestido de Noiva se encerrava ali.

Anos após este episódio, com a data do meu casamento marcado, me vejo dentro de um dos Ateliês mais lindos e representativos de São Paulo, sentada conversando com a estilista que ganhou meu coração, a Julia Pak.

Quando a Julia me perguntou sobre como eu me imaginava num vestido de noiva eu só consegui responder que não me imaginava e que talvez um vestido não seria a melhor proposta para mim.

Naquele momento entendi muito mais sobre a missão do Ateliê e da marca Julia Pak, enquanto internamente eu travava uma luta com minhas crenças a Julia com muita sensibilidade me conduzia a um processo de cura e realização.

Lembro bem dela dizer: “Talvez você não se veja em um vestido de noiva porque você está querendo se encaixar nele, e é o vestido que tem que se encaixar em você, o vestido tem que envolver o seu corpo como ele é e principalmente te refletir”.

Concordei com ela e me abri para viver aquela descoberta e me ver naquele lugar de noiva, de mulher negra e de ser amada.

Do croquí ao vestido pronto o que vivenciei foi ver um trabalho realizado a muitas mãos tomar a forma de quem sou. Sou suspeita em dizer que achei o meu vestido o mais maravilhoso deste mundo, minimalista, com rendas super autênticas e o mais importante carregando toda a minha essência, fui uma noiva realizada e linda no vestido que me coube.

Veja também: 7 pontos para levar em consideração antes de escolher o vestido de noiva sob medida

Beleza e cuidados da noiva

Conheci o trabalho da Rebecca Orsida alguns anos antes do nosso casamento e o que mais me encantou foi ver como ela realmente realçava a beleza das mulheres sem que a maquiagem chegasse primeiro.

A Rebecca me recebeu para este processo de preparação da beleza do dia do casamento com muito carinho e empatia, sabendo de todas as mudanças que haviam acontecido no meio do caminho ela se conectou comigo de uma maneira ímpar.

Esta troca foi muito importante para que o resultado da minha beleza em um dos dias mais importantes de minha vida fosse motivo de alegria e descanso, não precisei me preocupar pois confiava inteiramente no que seria entregue e tudo começou com nosso planejamento e alinhamento das ideias, dentro do contexto de como seria o meu vestido, o estilo do casamento e do meu gosto pessoal.

Foto: Gonçalves Fotografica

Veja também: Guia de maquiagem para noivas negras

Optamos por fazer um penteado com meu cabelo afro e deixá-lo preso para melhor conforto e a maquiagem super leve com o realce do batom vermelho nos lábios. Ficou completamente elegante e leve ao mesmo tempo.

Para que o trabalho da Rebecca tivesse melhor aproveitamento ela me sugeriu durante os meses que antecedem o casamento fazer um acompanhamento com a Biomedica Abigail Venancio.

Não imaginava o quanto o trabalho da Abigail seria imprescindível para que a make fosse muito mais bem aproveitada por mim, fizemos um tratamento que preparou a pele do meu rosto para receber a maquiagem do grande dia.

A Dra Abigail já desenvolve esse trabalho conjunto com a Rebecca há algum tempo e o que elas observaram é que o resultado é muito mais satisfatório para a noiva que se prepara neste período onde há tantos picos de ansiedade e stress.

Veja também: Top penteados para noivas negras arrasarem no altar

Mais do que memórias 

Quando nos casamos existem muitos desejos que permeiam nosso coração mas acredito que um dos mais intensos e latentes é o de compartilhar aquele momento com as pessoas certas, aquelas que nos amam e que fazem parte da nossa história. É como se pudéssemos retribuir àqueles que investiram suas vidas em nos formar e permitir que estas pessoas recebam a alegria de nos ver crescer e preparar vôo, casar também é abrir as asas e voar.

Muitas vezes algumas pessoas tão importantes se foram e fisicamente não é possível tê-las conosco, mas nada tira de mim a certeza de que o lugar mais potente que carregamos a presença destas pessoas é em nosso coração e foi assim que minhas duas avós amadas estiveram comigo naquele dia.

Minha avó materna, Vó Evany partiu quando eu era criança e sinto falta dela até hoje, já minha avó paterna Dona Dalva se foi no um ano antes do nosso casamento no início da Pandemia. Sonhava em tê-las comigo naquele dia e tive, quando a Quel do Atelier Girardi me disse que estava lançando uma coleção chamada “Memento” onde os acessórios produzidos carregariam memórias.

Ela me propôs ser uma das primeiras noivas que usariam a coleção e no acessório divino produzido manualmente, cheio de detalhes haveria um relicário onde eu poderia colocar duas pequenas fotos de pessoas importantes para mim, não há dúvidas de quem eu escolhi carregar em minha cabeça, certo? Sim, minhas duas avós, além de me acompanharem no coração estavam ali, homenageadas da forma mais singela e especial possível, foi muito emocionante quando mostrei para meus pais que elas estavam conosco.

Sou profundamente grata por ter encontrado a Quel e o Atelier Girardi exatamente naquele momento, eu não só tive a honra de ser a primeira noiva Memento como recebi um grande afago na alma por poder honrar as primeiras mulheres que cuidaram de mim.

Não tivemos daminhas, só rainhas

Nascer em uma família nobre tem destas coisas rs. Eu e Jeffs somos titios de três verdadeiras rainhas pretas, Sophia, Helena e Valentina não vieram a este mundo simplesmente de passagem, fomos privilegiados por tê-las como sobrinhas e queríamos que elas se sentissem honradas em nosso casamento.

Me lembro de dizer ao Jeffs que elas nunca se esqueçam do quanto o titio delas foi amoroso e perseverante em conquistar a titia e que independente das escolhas delas elas teriam nosso casamento como uma referência muito viva dentro delas.

Não havia outra pessoa para vesti-las como elas mereciam se não a Thaís do Petite Fleur Atelier, ela que já havia participado conosco do Editorial Menina Bonita, juntamente com as meninas e criou uma conexão de alma com elas.

O trabalho da Thaís vai muito além de fazer vestidos para daminhas, ela verdadeiramente se importa em tornar aquela experiência marcante na vida das crianças, ela criou o vestido junto com as meninas e as inseriu em todo o processo de uma forma muito cuidadosa.

Assim como a linha que seguimos para o vestido de noiva, as nossas rainhas estavam deslumbrantes, confortáveis e cheias de personalidade no vestidos que foram feitos iguais mas sob medida, respeitando a anatomia de cada uma.

Confesso que durante a cerimônia quando as vi entrando foi o primeiro momento em que chorei, e agradeci em meu coração por tê-las também como protagonistas daquele dia.

Se vocês querem saber sobre a surpresa que recebemos durante a cerimônia que nos deixou  boquiabertos e muito emocionados, vocês não podem perder o próximo capítulo da Série Revérbero Inspira.

Fornecedores citados

Julia Pak
Rebecca Orsida
Dra. Abigail Venâncio
Atelier Girardi
Petite Fleur Atelier

Sobre:

#
iCasei

Somos o maior portal de casamentos do Brasil, e nada melhor do que especialistas no assunto para trazer dicas, notícias e tendências desse universo maravilhoso e encantador. Desde 2007 no mercado, mais de 1 milhão de noivos já usaram nossa plataforma.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Av. Dr. Chucri Zaidan 1550, 31º - São Paulo - CEP: 04711-130 - CNPJ: 08.762.226/0001-31 © iCasei 2007 - 2022