Revista

Amor, respeito e confiança | 10 dicas para um casamento feliz

Após alguns anos do início do matrimônio algumas pessoas acabam passando por problemas conjugais: saiba como manter uma união estável e um casamento feliz

Durante todo o preparo para a nova fase da vida a dois, existem aflições e entusiasmos. Organizar o casório e montar a casa, por exemplo, são pacotes que vêm recheados com um misto de sentimentos. Mas, depois desse processo, o “felizes para sempre” se torna uma realidade e é necessário muita parceria para manter um casamento feliz.

Veja também:  Casamento blindado | 5 dicas para lidar com as manias do outro

Casal se abraçando enquanto cozinham juntos

Foto: Jen Huang

 

10 dicas para um casamento feliz

Não existe fórmula ou solução perfeita para ter um casamento feliz, mas existem fatores que tornam a relação saudável. Carinho, atenção, diálogo, cumplicidade e harmonia são alguns dos ingredientes que tornam o dia a dia do casal mais amoroso.

Apesar de clichê, uma relação deve ser alimentada e tratada com cuidado todos os dias. Independentemente da fase, ela deve ser vivida, pois só dessa forma o casal aprende e passa a lidar com as coisas boas e ruins do “enfim sós”.

Casal se abraça na praia

Foto: Emma Hopp

 

Veja também: Individualidade: Quais os seus benefícios e como ela pode ajudar o seu relacionamento!

1. Amizade

Antes de ter um casamento feliz, um dos primeiros passos é ter uma amizade sólida. Afinal, a partir do momento que partilhar sua vida com alguém, a outra pessoa se torna sua confidente para todos os casos que o cerca.

“Este laço tem a ver com a cumplicidade entre os parceiros, com o respeito ao espaço e à singularidade de cada um, e com a confiança de saber que um pode contar com o outro. Trata-se de uma relação que compartilha com o parceiro aquilo que se vive e envolve os pontos de dificuldades e o que há de bom”, afirma o psicanalista Rogério Cogo.

Casal deitado na cama juntos

Foto: Elizabeth Messina

 

2. Sem envolvimentos externos

No início do casamento ou após anos de casado, sempre surge alguém para aconselhar no que deve ou não ser feito para te ajudar na relação. A questão é que, conselhos são bem-vindos, desde que sejam filtrados para que só aquilo que é necessário seja absorvido.

Em alguns casos, as interferências externas podem ser prejudiciais, já que o que se aplica para um casal pode não servir para o outro. “Cada pessoa é feliz à sua própria maneira, cabendo portanto a cada um, e a cada casal, encontrar o seu modo de ser feliz”, aponta Rogério.

Veja também: Como salvar o casamento da rotina?

casamento-feliz

Foto: Ruth Eileen Photography

 

3. Chegada de um filho

Junto com um filho nasce também novas responsabilidades e desafios. Para as mulheres a demanda é maior. Tanto que algumas acabam não conseguindo conciliar várias funções rapidamente. Por isso, é fundamental que o marido divida tarefas e ajude em tudo que puder.

“Algumas mulheres ficam tão esgotadas fisicamente e psicologicamente com a chegada do bebê e com as múltiplas tarefas que desenvolvem a síndrome do esgotamento materno. Elas são tomadas por cansaço, angústia, ansiedade, oscilação do humor, insegurança e culpa”, ressalta a psicóloga Marilene Kehdi.

Para ajudar nessa fase, Marilene aconselha que o marido deve ser compreensível e ajudá-la promovendo situações de intimidade e troca de afeto. “É importante também que a mulher tenha um tempo apenas para si, cuidando do seu bem estar físico e emocional.”

Veja também:  De malas prontas: como lidar com a mudança para a casa nova?

Mãe segurando a filha

Foto: Elza Photographie

 

4. Problemas financeiros

Para muitos especialistas, as finanças, ou melhor, a falta de organização delas, são as maiores causadoras de separação. Como vivemos em uma era de consumo, a administração financeira da casa deve ser feita de forma controlada e responsável.

Marilene destaca que é importante lembrar que é um período passageiro. “Não permita que essa fase ruim tome conta da relação. Se unam ainda mais para que juntos encontrem uma saída.”

Homem mexendo no computador

Foto: Axioo Bali

 

5. Rotina

Após alguns anos de casado é normal cair na rotina. Por esse motivo, é importante saber mesclar o que há de bom para os dois no dia a dia, com outras demonstrações de carinho, muitas vezes, atípicas por conta dos afazeres frequentes.

“O que há de frio na rotina é seu caráter repetitivo, o automático no modo on que nos dá a percepção de que a vida passa diante dos nossos olhos sem que nós a estejamos vivendo. Contudo, é no dia a dia que a vida acontece. E é a partir do que fazemos a cada dia que as grandes realizações são construídas”, afirma Rogério.

Casal de idosos tomando sorvete

Foto: Wedding Chicks

 

6. Sinceridade

Uma relação é construída diariamente, sendo que os erros vão sendo consertados e resolvidos com diálogo franco e aberto. A sinceridade é fundamental para que hábitos que você não gosta no outro sejam resolvidos e acertados para manter um casamento feliz.

Marilene aconselha que a conversa exista e que tenha objetivo. “Tem que conversar sem DRs longas e cansativas. Falar em momento oportuno sem raiva, sem levantar a voz. O respeito tem que ser soberano quando se decide conversar sobre o que não está dando certo na relação, sobre o que está incomodando.”

Ainda segundo a psicóloga, é importante lembrar que uma relação não é perfeita e que ela vai ser construída diariamente. “Admitir o erro também é válido, assim como aceitar o pedido de desculpas. Se quer que a relação dê certo, vez ou outra, terá que ceder. Não insista em críticas porque ao longo do tempo elas cansam e afastam um do outro.”

Casal de frente para o outro enquanto conversam

Foto: Erich McVey

 

7. Respeito

Em qualquer discussão, problema financeiro ou outra questão, é imprescindível manter o respeito. Para quem busca um casamento feliz, o primeiro passo é se colocar no lugar do outro e buscar entender se gostaria que aquilo acontecesse com você. Se a resposta for não, pare e reflita sobre como deve mudar.

“É fácil cair na posição de acusar o companheiro quando alguma coisa está fora do controle. Só que isso mais sufoca do que mantém um laço. O respeito e o amor não podem ficar condicionados a um contrato. Deve haver intimidade na formação dessa relação de cumplicidade”, conclui Rogério.

Casal dentado no banco conversando

Foto: Nathália Bariani

 

8. Redes sociais

Chegar em casa, deitar na cama e mexer no celular? Nada disso! Em um relacionamento é importante se atentar a pequenos gestos que indiquem preocupação, atenção e, claro, interesse em saber como o outro está.

Para Marilene, atenção dada às redes sociais não deve e não pode ser maior que a dada um ao outro. “Quando conversarem, se olhem nos olhos. Inclusive com os filhos. Olhem nos olhos e não na tela do computador ou celular.”

Esses gestos podem parecer simples, mas fazem a diferença. “Ao chegar e sair de seu lar, se cumprimentem com beijo e abraço. Esse comportamento ajudará a manter acesa a chama da intimidade e do desejo um pelo outro”, indica a psicóloga.

Casal olhando o pôr do sol

Foto: Jonas Weckschmied

 

9. Pessoas diferentes

A união de um casal implica na vida de seres singulares, criados em famílias distintas, com histórias diferentes, que passaram a dividir uma vida juntos e que, tirando o fato de terem o sonho de ficarem juntos, abrigam necessidades e objetivos distintos um do outro.

A partir do momento que decidem formar um família, é importante entender que sacrifícios serão feitos para que, de fato, tenham um casamento feliz. Isso só será possível se essa dessemelhança for respeitada, tolerada e, acima de tudo, conversada constantemente.

Para Rogério, apesar de ser difícil indicar uma fórmula, é importante “não colocar a outra pessoa como a responsável pela sua felicidade, apesar de poder fazer parte dela”, já que em uma relação a ideia de se “completar” não é o foco, mas sim a ação de transbordarem juntos.

Casal abraçado olhando a paisagem

Foto: Hannah Busing

 

10. Agradeça sem cobrança

Muitos casais acabam adotando hábitos como levar café na cama todos os dias e até fazer o jantar. Para Rogério, aceitar o gesto do parceiro é diferente de cobrar que algo seja feito. São posicionamentos antagônicos em relação ao outro.

“No primeiro ponto, existe uma abertura que acolhe o que vem do outro e lhe permite o prazer de fazê-lo. No último, é uma exigência do que se espera e uma ideia de que o outro lhe agrade”, comenta o psicanalista. Por esse motivo, é importante não tratar as coisas como uma obrigação, mas sim algo prazeroso e leve.

Casal se beija enquanto estão encostados no carro

Foto: Joanna Nix

Veja mais sobre casais no nosso perfil no Pinterest

</>

Sobre:

#
Luchelle Furtado

Luchelle Furtado é jornalista em formação pela Universidade Metodista de São Paulo. Sonhadora, acredita no "Felizes para sempre" e tem A Bela e a Fera como seu conto de fadas preferido. Enquanto não planeja o próprio casamento, divide seu tempo livre entre livros e filmes que vão de comédia romântica até guer...

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Av. Dr. Chucri Zaidan 1550, 31º - São Paulo - CEP: 04711-130 - CNPJ: 08.762.226/0001-31 © iCasei 2007 - 2019