Portugal é um destino que vem sendo cada vez mais procurado pelos brasileiros para casamentos – seja por conta da facilidade do idioma, da proximidade entre os dois povos ou pelas belezas do país.  Se a ideia de fazer um casamento em Portugal parece boa para você, confira esta matéria e veja como funcionam as celebrações por lá e quais as diferenças para as festas brasileiras.

Gastronomia no casamento em Portugal

Neste quesito, os portugueses certamente saem à frente. Isso porque a gastronomia assume um papel importantíssimo no casamento em Portugal.

“A forma como os portugueses e os brasileiros olham para o casamento é bastante diferente. Por sermos um país com muita tradição e riqueza gastronômica, um típico casamento português tem a gastronomia como fator preponderante. E, para quem vem de fora, é uma boa oportunidade para oferecer aos convidados uma experiência mais enriquecedora e cultural”, explica o wedding planner Rui Mota Pinto.

Casamento em Portugal
Foto: Lucho Vargas

 

Leia mais: Destination wedding em Portugal

Para cada momento, um prato

Uma característica interessante por lá é que os casamentos portugueses são pautados em todos os momentos por comida.

“Desde o coquetel/aperitivos logo após a cerimônia, seguidos por um jantar sentado e servido à mesa por norma com 4 pratos, até os buffets de sobremesa e queijos no decorrer da festa. Ao final da noite é ainda servida uma pequena ceia”, conta Rui.

Casamento em Portugal
Foto: Lucho Vargas

 

Pratos servidos na mesa

“No Brasil, tradicionalmente o buffet não é algo muito relevante, na maioria das vezes, os convidados se levantam e se servem. Em Portugal, a comida é bastante importante e os convidados são servidos à mesa, iniciando com uma sopa de entrada, um ou dois pratos principais e logo em seguida acontece o corte do bolo para ser servido junto à sobremesa”, resume Lucho Vargas, fotógrafo peruano que já atuou no Brasil e hoje trabalha em Portugal.

A motorista internacional portuguesa Mavilde Pinheiro confirma este ponto. “Nós damos muito importância à ementa e à quantidade que é servida no casamento. Por exemplo, no meu casamento, no fim da cerimônia religiosa servimos uns bolinhos, sucos e águas”, lembra.

A harmonização da gastronomia com os vinhos

Além deste verdadeiro banquete, há mais um ingrediente especial, que faz parte de um casamento em Portugal: os vinhos. Como o país tem uma tradição forte de cultivo de uvas e produção da bebida, certamente, ao fazer seu casamento por lá você estará muito bem servido.

Leia mais: 6 hotéis incríveis para uma lua de mel em Portugal

Decoração

Este é um dos pontos queridinhos das noivas brasileiras, mas que as portuguesas não dão tanta atenção.

Casamento em Portugal
Foto: Lucho Vargas

 

Menos é mais

“A decoração não é vista como o fator essencial. Quando existe a necessidade de optar, a gastronomia tem sempre lugar de destaque e muitas vezes a decoração é preterida pela parte gastronômica”, pondera Rui.

Mavilde Pinheiro concorda: “No Brasil, o forte é mesmo casar num salão todos decorado cheio de flores e lustres lindos de cristal, aqui usamos as quintas. Aqui um casamento como no Brasil fica muito caro”.

Casamento em Portugal
Foto: Pedro Bento Photography

 

Lucho, por sua vez, conta que nos casamentos portugueses, não se gasta muito em flores e o ambiente normalmente é mais leve e enxuto.

“Já entre os brasileiros, esse é um item de muito valor. Dependendo do caso, se for um casamento de luxo, há noivos que chegam a gastar em decoração e flores até 10 mil euros”, pontua. Ainda segundo Lucho, o que acontece muitas vezes em Portugal é que a decoração é apenas do local contratado, sem exagero de flores.

Leia mais: Decoração de casamento no campo | As 10 melhores e mais pinadas em Portugal

No entanto, isso significa que os profissionais não possam trabalhar com decorações com um toque mais brasileiro. “Pessoalmente, gosto de dar muita importância à questão das flores porque penso que sem elas faltará sempre um pouco de ‘alma’, cor e luz a um casamento”, destaca Rui.

casamento em portugal
Foto: Nuno Palha

 

Para os profissionais que trabalham com flores naturais, o que determina a escolha geralmente são as flores da época ao casamento.

“Existem algumas flores que estão ‘intimamente’ ligadas aos casamentos em Portugal – as hortênsias, as peônias, as rosas, o Dendrobium, as orquídeas, o lisanthus, a gypsophila (mosquitinho), o dente de leão, as margaridas, entre outras. Existem de fato muitas flores comuns, mas sempre muito ligadas à época do ano em que o casamento se realiza”, comenta Rui.

Animação

Quando se fala em fazer festas animadas, os brasileiros certamente são imbatíveis. Por isso, o casamento em Portugal é um pouco diferente nesse quesito.

“Com relação à parte da animação, a diferença das festas portuguesas e brasileiras são bem visíveis. Normalmente, nos casamentos portugueses é contratado um DJ e um animador de festa, para criar brincadeiras entre os convidados, ou um DJ que já faça essa animação. Já entre os casamentos brasileiros, os noivos gostam mais de música ao vivo e preferem contratar uma banda para todos dançarem na pista”, declara Lucho.

Casamento em Portugal
Fotografia: Lucho Vargas

 

Leia mais: 6 hotéis incríveis para uma lua de mel em Portugal

Na opinião de Rui, essa diferença se dá pelo fato de o povo português ser menos expansivo do que o brasileiro.

“Isso se traduz também na forma como festejamos. Penso até que isso é um pouco referencial por quase todos os povos europeus. Olhando de forma simples, sem dúvida que uma festa brasileira é bastante mais animada porque as pessoas são por si só mais animadas e mais expansivas. Mas tem essencialmente a ver com a forma como nos divertimos. Para um português, uma festa animada não tem de ser o mesmo que para um brasileiro”, opina Rui.

Casamento em Portugal
Fotografia: Lucho Vargas

 

No entanto, nada impede que os fornecedores portugueses se adaptem à animação brasileira. “Devido à quantidade de brasileiros casando em Portugal, vem ocorrendo algumas mudanças de pequenos detalhes, mas de forma bem sutil. Um exemplo são as músicas ao vivo no lugar de DJ”, contesta Lucho.

O wedding planner Rui Mota Pinto, por sua vez, comenta que, por trabalhar com muitos casais brasileiros e estrangeiros, acabou por ter a animação como fonte principal nos seus casamentos. “Acredito que são de fato os momentos de animação únicos, fortes, dinâmicos e com impacto visual forte que criam memórias inesquecíveis”, enfatiza.

Detalhes que fazem a diferença

Além da decoração, da gastronomia e da animação, há alguns detalhes que podem ser um pouquinho diferentes para quem pensa fazer um casamento em Portugal.

casamento em Portugal
Foto: Lucho Vargas

Não existe cortejo

“Não existe o cortejo como no Brasil, é apenas a entrada da noiva e, algumas vezes um casal de padrinhos, uma daminha e um pajem. E o bolo não fica exposto durante a festa, é trazido à noite para os noivos brindarem e fazerem o corte, e servido entre os convidados após o jantar”, comenta Lucho.

Casamento em Portugal
Fotografia: Lucho Vargas

 

Não existe making of do dia da noiva

Outra diferença está na hora de fotografar o making of  do dia da noiva.  Se para as brasileiras o making of desse momento é importante, para as portuguesas não é bem assim.

“Na sua grande maioria, as noivas portuguesas, não gostam de fotografar o dia da noiva, para elas, esse é um ritual mais intimista e muito tradicional. Elas costumam se arrumar em casa ou na casa dos pais e muitas vezes sem registro”, destaca Lucho.

Segundo Mavilde, no grande dia as noivas fazem apenas penteado e maquiagem. “Unhas, depilação ou outras coisas são feitas no dia antes ou o mais próximo possível à data do casamento”, explica.

Leia mais: Penteado de noiva | Os 10 mais pinados em Portugal

A festa tem maior tempo de duração

Um detalhe que é bastante diferente por lá é que os casamentos podem durar mais horas que aqui no Brasil.

“Um casamento português não tem hora para acabar, normalmente os casamentos no verão duram mais tempo do que os de inverno. A animação da festa influência muito isso também. O meu casamento começou às 12h e saímos da quinta (sítio) às 4h da manhã”, exemplifica Mavilde.

O corte do bolo

O corte de bolo também é um dos momentos chave do casamento. “Há música durante o corte do bolo e há até quem use música ao vivo ou pessoas para cantar. Em Portugal, é um dos momentos mais fortes do casamento”, esclarece Mavilde.

 Quanto custa um casamento em Portugal?

Assim como no Brasil, os valores podem variar bastante, dependendo do tipo de casamento escolhido, da quantidade de convidados, da decoração, etc. De acordo com Lucho, os valores entre os casamentos no Brasil, na grande maioria das vezes, custa mais caro que em Portugal, mesmo com o euro em alta.

“Isso se deve principalmente porque os lugares de casamentos no Brasil são vazios e é preciso montar tudo para se criar o cenário. Já em Portugal, as quintas (lugares para casamentos tipo sítios) na sua maioria já são quase montados para casamentos, fazendo com que os noivos acrescentem apenas mais flores na decoração ou outros detalhes, caso queiram”, explica Lucho.

Casamento em Portugal
Fotografia: Pedro Bento Photography

 

Segundo Lucho, os valores podem variar muito, mas o cálculo de referência em uma quinta fica na média de 80 a 100 euros por convidado no espaço. Esse valor já inclui a alimentação.

“É preciso acrescentar os outros prestadores de serviços, como Wedding Planner, fotógrafo, videomaker, banda ou DJ, maquiagem e cabelo, flores da decoração, e o que mais desejarem. Tudo vai depender dos profissionais contratados e do local escolhido”, define.

No entanto, se o casal optar por casar em castelos ou palácios, o valor também sobe. “Nesse caso, a estrutura terá que ser levada e montada no local”, comenta Lucho.

Casamento em Portugal
Fotografia: Lucho Vargas

 

Mavilde conta que seu casamento ficou em torno de 25 mil euros. “O nosso não foi de luxo, foi todo personalizado ao nosso gosto, como nós sonhamos. Nós tivemos muitos extras e coisas que para muitos noivos não são essenciais. Mas há também pessoas que gastam apenas 10 mil ou 15 mil euros, depende muito do que os noivos podem desembolsar”, conta.

No entanto, nem sempre dá para levar em consideração estas médias – tudo vai depender do projeto realizado. “O custo de um casamento traduz-se exatamente por todas essas especificidades de cada história, de cada casal e de cada conceito. Os fatores são múltiplos e o custo depende de cada um deles. Há detalhes que podem ser totalmente diferentes de casal para casal e logo de casamento para casamento. O que aconselho sempre aos casais é que eles definam um budget e depois começamos a construir o casamento em função desse budget. Cada criação tem o seu a próprio custo”, pontua Rui Mota Pinto.

Dicas para casar em Portugal

Gostou da ideia de casar em Portugal e já pensa em fazer as malas e chamar os convidados? Confira as dicas dos profissionais que atuam no país:

Casamento em Portugal
Fotografia: Pedro Bento Photography

Encontre alguém que conheça bem o destino

Para Rui Mota Pinto, o mais importante é de fato o casal encontrar em Portugal alguém que os possa ajudar e que seja conhecedor não só dos espaços, dos fornecedores e dos locais, mas também das tradições, da cultura, da parte menos turística de Portugal.

“É importante também que ele seja capaz de colocar no casamento um pouco da tradição e cultura de Portugal. Essa é uma das essências de um Destination Wedding – ir para outro país e poder também oferecer aos convidados uma experiência que vai além do casamento em si, mas que interage com a cultura e com a tradição do local. Ninguém conhecerá melhor a forma de criar um verdadeiro Destination Wedding do que um nativo do país para onde o casal quer ir”, opina.

Busque por profissionais confiáveis

Procure profissionais certificados e com experiência comprovada.

“Infelizmente, o mercado português, assim como o brasileiro, foi inundado por pessoas menos habilitadas nesta área e facilmente encontramos amadores a vender serviços que depois se traduzem em falta de conhecimento, qualidade duvidosa ou problemas constantes. O meu conselho é que o casal não tenha problema em questionar se o profissional é de fato certificado ou não, também é aconselhável pedir referências ou de questionar sobre o número de anos de experiência”, alerta Rui Mota Pinto.

Contrate um wedding planner

Na opinião de Lucho, a figura do wedding planner é essencial quando os noivos estão planejando um casamento fora do país de origem. E, se ele tiver experiência com brasileiros, melhor ainda.

“Ele que irá organizar e ajudar na contratação dos profissionais. Mas é interessante que esse profissional tenha experiência com brasileiros, para que eles ajudem o casal na escolha do tipo de casamento, local, e os prestadores de serviços que se adequem e entendam o casal e para explicar as diferenças culturais”, sugere.

Casamento em Portugal
Fotografia: Lucho Vargas

 

Cuidados com foto e vídeo

Veja sempre de duas a três opções de profissionais antes de contratar, para escolher aqueles que mais lhe agradam.

“E dentre esses, escolha com bastante calma a equipe de fotografia e filmagem. Nesse caso, é melhor que o wedding planner passe alguns nomes e você agende uma reunião via Skype com eles, para entender toda a dinâmica da equipe, o tipo de material que ele usa, o tipo de álbum que trabalha, o prazo e forma de entrega do material para o Brasil”, comenta Lucho.

“Avaliem também se o estilo fotográfico e de filmagem combinam com vocês e, principalmente, se houve sintonia entre vocês e a equipe durante essa reunião. Parece bobagem, mas imaginem que essas equipes de foto e filmagem vão ficar com o casal todo o tempo e são os responsáveis por registrar da melhor forma os melhores momentos desse grande dia”, indica Lucho.

Veja a melhor época para casar em Portugal

Uma opção interessante para quem deseja casar em Portugal com valores menores é procurar casar na baixa temporada (entre outubro a março), segundo Lucho Vargas. “Já que não se tem um inverno muito rigoroso, comparado a outros países europeus, é possível casar em espaços fechados, como as quintas com estufa de vinhos”, recomenda.

Pense na lista de convidados

Outro ponto a se pensar é que no caso dos casamentos com menos de 30 convidados, muitas quintas portuguesas não aceitam fazê-los aos finais de semana. “Aí fica a opção de fazer em quintas menores, praias, ou hotéis e casas coloniais com alojamentos”, expõe Lucho.

Tags da matéria

Comentários

2 comments

  1.    Responder

    Que matéria linda!

    1. iCasei

         Responder

      Obrigada, Gina! Que bom que curtiu! Ficamos felizes.
      Um beijo!